Páginas

2 de Março de 2011

Mercearia XII - O brilho da pérola

Ao fim de algumas visitas, começo a não conseguir resistir à formulação de teorias. E é por isso que estou hoje em condições de afirmar que há uma trilogia que serve como indicador fiável (e cumulativo) do interesse histórico/fotográfico das mercearias, a saber:
1º O nome do estabelecimento ter "Pérola"
2º A "Pérola" estar conjugada com o nome de um santo.
3º O nome do santo corresponder ao nome da Freguesia.

Esta teoria ganha o contorno de Decreto-Lei depois da minha visita à "Pérola de São Mamede". Para além da simpatia dos donos tive o prazer  de assistir a uma verdadeira aula de história. Este espaço, com mais 100 anos, assistiu às grandes movimentações e obras de Lisboa. Ganhou eléctrico, perdeu eléctrico, mas nunca perdeu o seu ar original, disponível e muito bem preservado. Mais do que um fragmento envelhecido que foge do tempo, é um pedaço de história que se tem sabido conservar.

Nesta pérola, aprendi ainda a razão da existência das prateleiras de mármore nas mercearias (imposição de um Presidente da Câmara nos anos 50). E é por isso que agora, em qualquer mercearia que visite, será impossível não recordar esta pérola.

Rua Nova de São Mamede 19A




21 de Fevereiro de 2011

Mercearia XI - Vida no "planalto" de Alvalade (3)

Contornando a esquina, e entrando na Avenida da Igreja, encontrei um novo local de interesse. Embora o interior desta mercearia, também com cerca de 50 anos, tenha sido completamente renovado, a verdade é que continua a ter algo de diferente.

Ao fim de 3 mercearias visitadas em Alvalade, importa salientar a importância desta zona permanecer verdadeiramente activa. Ao contrário de outras zonas de Lisboa, aqui, quem se sentar nos bancos, por exemplo, na Avenida da Igreja, pode ver miúdos e graúdos a sair de suas casas, a fazer uma primeira paragem na casa de frangos, uma segunda na mercearia, e uma terceira na farmácia, antes de desaparecem do alcance ou de entrarem em transportes públicos (que por aqui também não faltam). Pode parecer um pequeno pormenor, mas faz toda a diferença e mantém viva e bonita esta zona de Lisboa. Tudo funciona numa harmonia perfeita para a qual o próprio Mcdonald's dá o seu contributo, com uma movimentação que injecta vida e calor humano nos negócios contíguos.

E é neste ambiente, de algo que foi grandioso, que soube reinventar-se, e continua a sê-lo, que surge esta mercearia. Típica na sua modernidade reinventada, numa zona que se recusa a envelhecer.

Avenida da Igreja 8A




18 de Fevereiro de 2011

Mercearia X - Vida no "planalto" de Alvalade (2) - Não há fome que não dê em fartura

Ainda no planalto de Alvalade, não tive de andar muitos metros para chegar à mercearia seguinte. Posso mesmo dizer que não necessitei de andar muitos decímetros (unidade de medida tão desprezada). Por incrível que pareça, esta mercearia encontra-se no número seguinte na mesma rua.

Imbuído por este espírito de economia de passos, desloquei-me ao seu interior para encontrar um espaço completamente distinto do primeiro. Bastante menos largo, mas completamente atestado de artigos, até ao tecto.

Apesar da concorrência, esta mercearia, também perto dos 50 anos, parece ter clientes suficientes para justificar tamanha proximidade.

A dona deste espaço, com uma inegável simpatia e curiosidade pediu-me apenas que não a fotografasse. Assim o fiz, mas "vinguei-me" na fruta.

Rua Luís Augusto Palmeirim 1E